Postagem em destaque

“Todo dia é dia de índio” na Creche Marieta Navarro Gayo

Divulgação CMP Por (Eni) Consta oficialmente na História do  Brasil , que o descobridor do  Brasil  foi o  fidalgo, comandan...

Menu

Frase e citação de hoje:

segunda-feira, 23 de abril de 2018

“Todo dia é dia de índio” na Creche Marieta Navarro Gayo

Divulgação CMP

Por (Eni)

Consta oficialmente na História do Brasil, que o descobridor do Brasil foi o  fidalgo, comandante militar, navegador e explorador português Pedro Álvares Cabral,  que é usado apenas como referência didática. Basta conferir as gravuras e pinturas da época e ver que os portugueses ao chegarem no país já era habitado por cerca de cinco milhões de índios, aproximadamente.
“De forma divertida a data importante foi lembrada pelas crianças da Creche Marieta Navarro Gayo. É  muito importante lembrar que os índios ocupavam pacificamente todo o território brasileiro antes da chegada dos europeus. Aos poucos foram sendo esquecidos e hoje ainda resistem para que sejam respeitados por todos nós. A preservação da natureza, hoje tão comentada, obrigatoriamente passa pela cultura indígena, pois o convívio harmônico com a natureza é um legado que esses povos nos passaram. Aos nossos irmãos indígenas o nosso mais absoluto respeito e que nos perdoem pelas injustiças que o homem branco fez (e ainda faz). “ enfatiza a propósito o Diretor Financeiro Júlio Moreira.
Esta importante data (19/4) serve para lembrar e reforçar a identidade do povo indígena brasileiro e americano na história e cultura atual.
“Com atividades desta natureza ensinamos que o civismo faz parte das atividades formativas e instrutivas de nossa escola, conclui Júlio Moreira.



Blogger Widgets

quarta-feira, 28 de março de 2018

Semana Santa – Visão Espírita

Reprodução


 

Todo ano, a cena se repete. Chega a época dos feriados católicos da chamada “Semana Santa” e surgem as questões:

1. Como o Espiritismo encara a Páscoa;Sexta-feira Santa”?;
2. Qual o procedimento do espírita no chamado “Sábado de aleluia” e “Domingo de Páscoa”?;
3. Como fica a questão do “Senhor Morto”?
Sabe que chego a surpreender-me com as perguntas. Não quando surgem de novatos na Doutrina, mas quando surgem de velhos espíritas, condicionados ao hábito católico, que aliás, respeitamos muito. É importante destacar isso: o respeito que devemos às práticas católicas nesta época, desde à chamada época, por nossos irmãos denominada de quaresma, até às lembranças históricas, na maioria das cidades revividas, do sacrifício e ressurgimento de Jesus. Só que embora o respeito devido, nada temos com isso no sentido das práticas relacionadas com a data.
São práticas religiosas merecedoras de apreço e respeito, mas distantes da prática espírita. É claro que há todo o contexto histórico da questão, os hábitos milenares enraizados na mente popular, o condicionamento com datas e lembranças e a obrigação católica de adesão a tais práticas.
Para a Doutrina Espírita, não há a chamada “Semana Santa”, nem tão pouco o “Sábado de aleluia” ou o “Domingo de Páscoa” (embora nossas crianças não consigam ficar sem o chocolate, pela forte influência da mídia no consumismo aproveitador da data) ou o “Senhor Morto”. Trata-se de feriado e prática católica e portanto, não existem razões para adesão de qualquer tipo ou argumento a tais práticas. É absolutamente incoerente com a prática espírita o desejar de “Feliz Páscoa!”, a comemoração de Páscoa em Centros Espíritas ou mesmo alteração da programação espírita nos Centros, em virtude de tais feriados católicos. E vejo a preocupação de expositores ou articulistas em abordar a questão, por força da data… Não há porque fazer-se programas de rádio específicos sobre o assunto, palestras sobre o tema ou publicar artigos em jornais só porque estamos na referida data. É óbvio que ao longo do ano, vez por outra, abordaremos a questão para esclarecimento ou estudo, mas sem prender-se à pressão e força da data.
Há uma influência católica muito intensa sobre a mente popular, com hábitos enraizados, a ponto de termos somente feriados católicos no Brasil, advindos de uma época de dominação católica sobre o país, realidade bem diferente da que se vive hoje. E os espíritas, afinados com outra proposta, a do Cristo Vivo, não têm porque apegar-se ou preocupar-se com tais questões.
Respeitemos nossos irmãos católicos, mas deixemo-los agir como queiram, sem o stress de esgotar explicações. Nossa Doutrina é livre e deve ser praticada livremente, sem qualquer tipo de vinculação com outras práticas. Com isso, ninguém está a desrespeitar o sacrifício do Mestre em prol da Humanidade. Preferimos sim ficar com seus exemplos, inclusive o da imortalidade, do que ficar a reviver a tragédia a que foi levado pela precipitação humana.
Inclusive temos o dever de transmitir às novas gerações a violência da malhação do Judas, prática destoante do perdão recomendado pelo Mestre, verdadeiro absurdo mantido por mera tradição, também incoerente com a prática espírita.
A mesma situação ocorre quando na chamada quaresma de nossos irmãos católicos, espíritas ficam preocupados em comer ou não comer carne, ou preocupados se isto pode ou não. Ora, ou somos espíritas ou não somos! Compara-se isso a indagar se no Carnaval os Centros devem ou não abrir as portas, em virtude do pesado clima que se forma???!!!… A Doutrina Espírita nada tem a ver com isso. São práticas de outras religiões, que repetimos respeitamos muito, mas não adotamos, sendo absolutamente incoerente com o espírita e prática dos Centros Espíritas, qualquer influência que modifique sua programação ou proposta de vida.
Esta abordagem está direcionada aos espíritas. Se algum irmão católico nos ler, esperamos nos compreenda o objetivo de argumentação da questão, internamente, para os próprios espíritas. Nada a opor ou qualquer atitude de crítica a práticas que julgamos extremamente importantes no entendimento católico e para as quais direcionamos nosso maior respeito e apreço.
Vemos com ternura a dedicação e a profunda fé católica que se mostram com toda sua força durante os feriados da chamada Semana Santa e é claro, nas demais atividades brasileiras que o Catolicismo desenvolve.
O objetivo da abordagem é direcionado aos espíritas que ainda guardam dúvidas sobre as três questões apresentadas no início do artigo. O Espiritismo encara a chamada Sexta-feira Santa como uma Sexta-feira normal, como todas as outras, embora reconhecendo a importância dela para os católicos. Também indica que não há procedimento algum para os dias desses feriados. E não há porque preocupar-se com o Senhor Morto, pois que Jesus vive e trabalha em prol da Humanidade.
E aqui, transcrevemos trecho do capítulo VIII de O Evangelho Segundo o Espiritismo, no subtítulo VERDADEIRA PUREZA, MÃOS NÃO LAVADAS (página 117 – 107ª edição IDE): “O objetivo da religião é conduzir o homem a Deus; ora, o homem não chega a Deus senão quando está perfeito; portanto, toda religião que não torna o homem melhor, não atinge seu objetivo; (…) A crença na eficácia dos sinais exteriores é nula se não impede que se cometam homicídios, adultérios, espoliações, calúnias e de fazer mal ao próximo em que quer que seja. Ela faz supersticiosos, hipócritas e fanáticos, mas não faz homens de bem. Não basta, pois, ter as aparências da pureza, é preciso antes de tudo ter a pureza de coração”.
Não pensem os leitores que extraímos o trecho pensando nas práticas católicas em questão. Não! Pensamos em nós mesmos, os espíritas, que tantas vezes nos perdemos em ilusões, acreditando cegamente na assistência dos espíritos benfeitores, mas agindo com hipocrisia, fanatismo e pasmem, superstição …. quando não conhecemos devidamente os objetivos da Doutrina Espírita, que são, em última análise, a melhora moral do homem.


Instituto Chico Xavier

segunda-feira, 26 de março de 2018

CMP faz entrega de cestas básicas com almoço de Páscoa

Divulgação CMP


Por (Eni)

“Amizade afetuosa e íntima entre pessoas diversas; confraternidade.”  Este é o conceito definido para este singelo evento que é a doação e a entrega de cestas básicas as pessoas necessitadas que são feitas mensalmente, ocorrida nesta sábado (24/3).
Grandioso em importância porque representa muito para a Casa da Mãe Pobre. Mais importante ainda para aqueles que as recebem pois estão ali os alimentos básicos do dia a dia.
 Aproveitando a data, foi realizado um almoço de Páscoa para as famílias assistidas.
“Mais uma vez contamos com o voluntariado do Centro Espírita Doutor João de Freitas e de amigos que sempre comparecem nesse dia de distribuição de cestas básicas e tudo sempre sai muito bem, graças a Deus”, destaca Júlio Moreira Diretor da Instituição.


Divulgação CMP







segunda-feira, 12 de março de 2018

CMP realiza primeiro almoço beneficente de 2018

Divulgação CMP


Por (Eni)

O Almoço Beneficente em prol  dos serviços sociais prestados pela Casa da Mãe Pobre aconteceu neste sábado,  10 de março.
Voluntários, colaboradores, Diretores, funcionários  e nossa Legião de Amigos  marcaram presença  a este ato de amor, caridade e amor ao próximo.

Divulgação CMP
Após uma excelente palestra  ministrada porMarson Rodrigues  cujo tema Saúde Física e Espiritual”, levando em conta os cuidados nutricionais necessários  aproximadamente 70 pessoas degustaram um apetitoso churrasco com salpicão que  foi servido ao som de  “Ro Power”.
“Para a nós é muito gratificante fazer uma ação desta natureza com a participação popular. Sempre é bom realizar eventos desta natureza para que nossos idosos se sintam acolhidos e também para ajudar no custeio da CMP”, enfatiza o Diretor Financeiro Júlio Moreira demonstrando gratidão a todos os participantes.
Bendita seja a Caridade.




“A solidariedade e a caridade são práticas do amor real”. (Mônicka Christi)




terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Funcionários da Receita Federal fazem caridade a CMP com muito amor

Funcionários da Receita Federal agencia centro da cidade em Rio de Janeiro
Foto divulgação CMP


Por (Eni)

Funcionários da Receita Federal agencia centro da cidade em Rio de Janeiro que mensalmente fazem campanha de recolhimento de gêneros alimentícios para doação em instituições de caridade, nesse mês (sexta feira 23/2/18)  noscontemplaram com tão importante bênção.
“Com essa atitude é que podemos ver que nem tudo está perdido nesse nosso planeta,” enfatiza o Diretor Financeiro.
“Bendita seja a caridade e o nosso sincero agradecimento, rogando a Deus bênçãos para todos.”, conclui Júlio Moreira.
Ação solidária é sintetizada em uma única palavra: gratidão. 
Em um coração onde mora a gratidão, também habitará sempre a felicidade.




segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Casa da Mãe Pobre distribui cestas básicas a famílias carentes em Rio de Janeiro

Foto divulgação CMP


Por (Eni)

Na ultima sexta feira (23/2/18), mais uma vez a Instituição Maria de Nazareth – Casa da Mãe Pobre fez a entrega de cestas básicas que é cumprida mensalmente.  As roupas e objetos de higiene pessoal foram repassadas para as cinquenta famílias cadastradas em nossa Instituição. Na ocasião, houve atendimento médico, jurídico e palestra sobre a importância da higiene bucal como já é rotina. Para as crianças presentes apresentamos recreação e teatrinho infantil.
Com a participação de voluntários da Receita Federal que confraternizaram em um almoço, o evento foi finalizado.
A alegria e esperança por dias melhores eram visíveis nos rostos das famílias ajudadas. Após o almoço servido, os nossos assistidos retornaram aos seus lares.
A contemplação das famílias é feita graças à ajuda e doações feitas por nossa Legião de Benfeitores que acredita em nosso trabalho.
“A vida na terra é uma passagem, o amor uma miragem, mas a amizade é um “fio de ouro” que só se quebra com a morte. Você sabe? A infância passa, a juventude a segue, a velhice a substitui, a morte a recolhe. A mais bela flor do mundo perde sua beleza, mas uma amizade fiel dura para a eternidade. Viver sem amigos é morrer sem deixar lembranças.” (Chico Xavier)
Bendita seja a caridade!






Postagens populares

Arquivo do blog

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...